O que você procura?

Homilias

Escrito em 30/03/2018

Homilia na Celebração da Paixão do Senhor

Na paixão e na Cruz de Cristo se condensa a história longa e dramática das infidelidades dos homens ao desígnio divino

Homilia na Celebração da Paixão do Senhor
Fotos: Rudger Remígio
Dom Washington Cruz, CP
Arcebispo Metropolitano de Goiânia
 
30/03/2018
 
Este dia santo, queridos irmãos e irmãs no Senhor, está centrado no mistério da Paixão, crucifixão e morte de Jesus; é um dia totalmente orientado à contemplação de Cristo na Cruz como nos evoca a sagrada Liturgia que estamos celebrando. Como diz o relato da paixão proclamado, nossos olhares se dirigem àquele transpassaram por nossos delitos”, ao coração atravessado do Redentor, em quem “estão ocultos todos os tesouros da sabedoria e da ciência” (Col 2, 3) e “reside corporalmente a plenitude da divindade”. 
 
Na paixão e na Cruz de Cristo se condensa a história longa e dramática das infidelidades dos homens ao desígnio divino; a paixão nos leva a meditar o grande mistério do mal e do pecado que oprimem a humanidade ao longo de sua história -não menos hoje, muito ao contrario-. Porém os sofrimentos de Cristo expiam este mal, tantíssimo mal; pela Cruz resplandece, na escuridão da histeria humana e em nossos dias, a vitória e a luz de um Amor, o de Deus, que é mais forte do que o pecado do homem, que a morte ou do que o “príncipe da mentira” que  instigou tanto mal e atolou o mundo nesse mal. É verdade, a cruz de Cristo revela” a largura, a altura e a profundidade” - as dimensões cósmicas e da totalidade da história, esse é seu sentido-, de um amor que supera todo conhecimento - o amor vai mais além de tudo quanto se conhece- e nos “enche até a total plenitude de Deus” (Cf Ef. 3, 18-19).
 
Se na Cruz, é certo, contemplamos e palpamos o amor sem medida de Deus, não menos certo é que também, à sua luz, contemplamos a gravidade e a tragédia de nossos pecados. Quem nos poderá livrar da iniquidade que pesa sobre nós? Quem poderá salvar-nos de nosso pecado? Só um pode salvar-nos, só o  amor e o poder de Deus podem arrancar-nos das raízes da culpa e da morte; só o Filho de Deus, “Cristo, que  morreu por nossos pecados”, segundo as Escrituras. Sim, irmãos, esta é a Boa Nova que escuta o homem, tu e eu, necessitado de redenção: Deus não nos  abandonou ao poder da morte mas se compadeceu, estendeu a mão a todos. No acontecimento da Cruz de Cristo se operou um giro decisivo na história dos homens;  começou o tempo do perdão, quer dizer, da compaixão e da misericórdia, da salvação. Deus, com efeito, entregou o seu próprio Filho por todos nós para que fossemos reconciliados com Ele por sua morte” na cruz. Ele nos  libertou de nossa conduta néscia e pecadora que herdamos e feita nossa; Ele nos resgatou, “não com algo caduco, ouro ou prata, mas com seu sangue precioso, como de cordeiro sem corte e sem mancha, Cristo”. E que preço tão caro Deus teve que pagar por nós: seu próprio sangue, pois o sangue de Cristo é o mesmo sangue de Deus. Cristo, por nós, se submeteu à morte e uma morte tão cruel e ignominiosa como a da cruz; por todos os homens, com quem se solidarizou na morte, carregando com a maldição do pecado; por todos nós que com nossas más ações o temos feito sofrer o suplício da Cruz: por todos, sem exceção alguma, por ti e por mim, Jesus morreu cravado no madeiro; por todos, já que não há, nem houve, nem haverá homem algum por quem Cristo não tenha padecido. 
 
Amou-nos até o limite insuspeito de dar sua vida por nós. Amou-nos  até ao extremo. Amou-nos e se entregou por nós; me amou e se entregou por mim; porque amou a Igreja e se entregou por ela. Aí descobrimos a verdade do homem, nesse amor de Jesus Cristo que é o amor e paixão de Deus pelo homem.
 
Por isso, sem Jesus Cristo Crucificado não saberíamos o que é a nossa vida, nem nossa morte, nem quem é  Deus nem quem somos nós mesmos. Por isso, como cantaremos na noite de Páscoa: “De que nos serviria ter nascido, se não tivéssemos sido resgatados?” 
A Cruz nos abre à esperança e a escuridão de sua dor nos abre à luz.
 
Jesus Crucificado é o paradoxo de um Amor, que, da humilhação, desgarra a treva e a desordem estabelecida neste mundo com a luz nova que vem de Deus vivente que o ressuscita dos mortos. A cruz, a morte fruto do pecado, não tem sua última palavra: a última palavra é de Deus que na Cruz da qual pende Cristo, seu Filho, rebaixado até ao abismo do nada com seu amor entregue por nós. E esse amor o há todo invadido, e o há todo preenchido, e assim até o próprio nada o vazio ficam absorvidos na plenitude do amor de Deus que nos arranca dos limites do nada e do vazio da morte. E mesmo, no que aos olhos do mundo é o fracasso humano da Cruz, se deu já o triunfo do poder de Deus que é seu amor, é a vida que triunfa sobre a morte. Vitória, tu reinarás, oh Cruz tu nos salvarás!
 
Adoremos irmãos o nosso redentor que por nós e por todos os homens quis morrer e ser sepultado para ressuscitar dos mortos e supliquemos-lhe, cheios de confiança e abertos à esperança Senhor, tem piedade! Senhor, escuta e tem piedade! 
Bem-vindos!

Bem-vindos!

Página das homilias do nosso arcebispo, Dom Washington Cruz. Aqui você tem acesso ao conteúdo homilético de todas as missas do pastor da Arquidiocese de Goiânia, celebradas sempre aos domingos, às 11h30. Baixe os arquivos em PDF, ou áudio MP3 ou compartilhe em suas redes sociais.

Atendimento

(62) 3223-4581 / 3225-0339