O que você procura?

Homilias

Escrito em 31/03/2018

Homilia da Vigília Pascal

Esta noite de Páscoa é uma noite de festa. Festejamos a Ressurreição de Cristo, aquela noite do terceiro dia, em que Jesus, como tinha prometido, vencer a morte

Homilia da Vigília Pascal
Fotos: Rudger Remígio

Dom Washington Cruz, CP
Arcebispo Metropolitano de Goiânia

ANO B
Domingo 31 de Março de 2018

Esta noite de Páscoa é uma noite de festa. Festejamos a Ressurreição de Cristo, aquela noite do terceiro dia, em que Jesus, como tinha prometido, vencer a morte, ressuscitando e trazendo consigo todos os que estavam nas sombrias regiões da morte. Celebramos não como um sinal de vingança: mataram Jesus, mas ele é mais forte. Celebramos uma presença viva, uma luz que não se apaga, simbolizada neste círio pascal, que hoje consagramos, e será um dos sinais da presença de Cristo na sua Igreja.

Digo uma dos sinais porque não é o único. Num dos documentos do Concílio Vaticano II, o da reforma da liturgia, fala-se das várias presenças de Cristo na assembleia celebrante. Não o vou ler nem indicar todas as presenças, mas há uma que gostaria de apontá-la: a assembleia celebrante. Nesta noite, aqui reunidos para celebrar as maravilhas de Deus na nossa história, cada um de nós e todos, como comunidade, somos presença de Cristo. 

E desta assembleia celebrante descobrimos várias outras presenças de que Cristo está, de fato, no meio de nós. Diz o texto do Concílio: está no que preside à celebração, não como aquele que domina, ou que manda, mas como aquele que está ao serviço da comunidade reunida, lembrando-se sempre das palavras de Jesus na Última Ceia: Fazei isto em memória de Mim, está na Palavra que se escuta, Deus que se revela, como escutamos na abundante liturgia da palavra desta noite, e na comunhão do Senhor na liturgia eucarística, enquanto esperamos a sua segunda vinda. Mas tudo em função da Igreja que se reúne na sua casa para celebrar – neste nosso caso – a Ressurreição de Jesus Cristo.

Poderão perguntar a que propósito é que vem esta matéria em noite de Páscoa. Eu explico. Porque é da Ressurreição de Jesus que nasce a Igreja. 

Nos dois dias anteriores, mas sobretudo na celebração da Paixão, vimos como a morte de Jesus causou a dispersão dos discípulos. São João, ao contar o pormenor de que depois de Jesus morrer não lhe partiram as pernas, mas que lhe perfuraram o lado de onde saiu sangue e água, dizem alguns autores espirituais que eram símbolos do batismo e da eucaristia. Mas no Evangelho escutamos que o Anjo manda as mulheres irem avisar aos discípulos que se encaminhem para a Galileia, onde Cristo já os esperava.

Ora, se a morte de Jesus é motivo de dispersão, a sua ressurreição e encontro com os discípulos junta-os, não já com o profeta de Nazaré, mas Aquele a quem passam a chamar o Senhor. Juntamo-nos nesta noite porque foi Cristo ressuscitado quem nos convocou. Ele é a luz que acompanha o nosso caminhar como Igreja. Ele é a Palavra que nos toca, o Deus da promessa. Não o Deus das promessas do passado, mas o Deus das viagens ou o Deus dos caminhos por fazer (frei José Augusto Mourão.

Páscoa significa passagem, e nós somos os passageiros. Páscoa significa caminho, e nós somos os peregrinos. Páscoa significa vida nova e nós somos os rebentos que brotaram da árvore da Cruz.

Um dos sentidos da festa cristã é a da sua diferença com os outros dias. No Pequeno Príncipe, de Saint-Exúpery, há uma frase que define bem o sentido da festa, embora apareça para definir o que é um ritual. Esta frase vem no capítulo da conversa entre a raposa e o principezinho. O Pequeno Príncipe não sabia o que era um ritual. E a raposa disse-lhe que era uma coisa que toda o mundo se tinha esquecido. E explicou assim a ele: “um ritual é o que faz com que um dia seja diferente de todos os dias e uma hora, diferente de todas as horas”.

Que a Páscoa que cada ano celebramos tenha este sentido de ritual e de festa : um dia diferente de todos os dias, porque hoje celebramos, na nossa vida, os efeitos da Vida que venceu a morte.

Bem-vindos!

Bem-vindos!

Página das homilias do nosso arcebispo, Dom Washington Cruz. Aqui você tem acesso ao conteúdo homilético de todas as missas do pastor da Arquidiocese de Goiânia, celebradas sempre aos domingos, às 11h30. Baixe os arquivos em PDF, ou áudio MP3 ou compartilhe em suas redes sociais.

Atendimento

(62) 3223-4581 / 3225-0339