O que você procura?

Notícias

Escrito em 05 de Julho por IHU OnLine

Migrações: 30 milhões de crianças deslocadas no mundo

O UNICEF lembra que essas crianças vulneráveis precisam de acesso a proteção e serviços essenciais para mantê-las seguras

Imagem Homilias

Por ocasião do Dia Mundial dos Refugiados, o UNICEF recordou que há mais crianças deslocadas à força devido aos conflitos hoje – cerca de 30 milhões – do que em qualquer outro momento da história desde a Segunda Guerra Mundial. O UNICEF lembra que essas crianças vulneráveis precisam de acesso a proteção e serviços essenciais para mantê-las seguras agora e de soluções sustentáveis para garantir o seu bem-estar em longo prazo. O número global de crianças refugiadas e migrantes que se deslocaram sozinhas também atingiu níveis sem precedentes, aumentando cerca de 5 vezes entre 2010 e 2015. Pelo menos 300.000 crianças desacompanhadas e separadas foram registradas em cerca de 80 países entre 2015 e 2016, comparadas às 66.000 de 2010-2011. O dado real das crianças que se deslocam sozinhas é provavelmente muito maior. As crianças desacompanhadas e separadas estão expostas a um risco muito maior de tráfico, exploração, violência e abuso. As crianças representam cerca de 28% das vítimas do tráfico em nível global.

Desafios e ameaças cotidianas

Entre as discussões em curso sobre um plano global de ação em apoio aos refugiados, o UNICEF conclama os líderes mundiais a redobrar seus esforços para garantir os direitos, a segurança e o bem-estar das crianças mais vulneráveis do mundo – muitas das quais permanecem são deslocadas por causa de conflitos, violências e instabilidades políticas. “No Dia Mundial do Refugiado, é importante lembrar as ameaças e os desafios que as crianças em trânsito enfrentam todos os dias”, afirmou Manuel Fontaine, Diretor de Programas de Emergência do UNICEF. “As crianças desenraizadas – refugiadas, requerentes de asilo ou deslocadas internos – enfrentam sérios riscos para a sua saúde e segurança, assim como enormes obstáculos que limitam o acesso aos serviços de que necessitam para crescer. Essas crianças precisam de mais do que um dia – elas precisam de esperança, oportunidade e proteção. Pedimos aos Estados-membros que renovem os seus empenhos para garantir a essas crianças direitos e ambições”.

Apenas metade frequenta a escola primária

Como o número de crianças deslocadas à força e refugiadas atingiu níveis recorde, seu acesso a serviços e apoio básicos, como assistência médica e educação, continua profundamente comprometido. Apenas a metade de todos os refugiados, por exemplo, está matriculada na escola primária, enquanto menos de um quarto dos adolescentes refugiados frequentam a escola secundária. O UNICEF espera que o Pacto Global sobre Refugiados (GCR) e o Pacto Global sobre Migrações (GCM), que deveriam ser finalizados este ano, sirvam de diretrizes para empenhos mais fortes dos Estados membros em favor dos direitos das crianças desenraizadas no mundo. O UNICEF divulgou uma agenda de seis pontos de ação para proteger as crianças refugiadas e migrantes, na qual estão incluídas recomendações sobre as melhores práticas que podem ser incorporadas a ambos os Pactos.

Iniciativa com o mundo do futebol

Neste momento em que o futebol une torcedores de todo o mundo, o UNICEF e o seu parceiro 180LA lançam a iniciativa “What Excites Us, Unite Us” (“O que nos emociona, nos une”) que é inspirada pela ideia de que o amor pelo esporte pode superar as fronteiras, e assim da mesma forma pode dar apoio aos direitos das crianças refugiadas e migrantes. A campanha também inclui um vídeo na web de dois minutos que conta a história de Santi, um menino de 8 anos que migrou da Bolívia para a Espanha, teve dificuldade para encontrar amigos e que depois foi aceito em seu novo país graças ao amor pelo futebol. Enquanto jogam, Santi e seus amigos são interrompidos por uma visita surpresa de seu herói, Sergio Ramos (capitão da seleção espanhola e embaixador do UNICEF). Simultaneamente com o vídeo, será lançada nas mídias sociais a iniciativa “Longest goal challange”: Sergio Ramos vai pedir a todos para aderir à iniciativa através da paixão comum pelo futebol e mostrar o apoio para as crianças migrantes e refugiadas através do compartilhamento nas redes sociais de um vídeo gritando “goooool” durante o maior tempo possível, usando a hashtag #LongestGoal #WorldCup.

 

Atendimento

(62) 3223-4581 / 3225-0339