O que você procura?

Homilias

Escrito em 20/06/2021

Homilia no XII Domingo Comum, Ano B Catedral Metropolitana de Goiânia, 20/06/2021

Homilia no XII Domingo Comum, Ano B  Catedral Metropolitana de Goiânia, 20/06/2021

Jó 38,1.8-11/ Sl 106 (107),/ 2 Cor 5,14-17/Mc 4,35-41


Deus é o Senhor do Universo e governa-o com o Seu poder e sabedoria. A primeira leitura é um pequenino trecho da parte final do livro de Jó, em que Deus é apresentado, não desvendando o mistério do sofrimento do inocente, mas apelando a que o sofredor inocente eleve o seu espírito para Deus, contemple as maravilhas da natureza e reconheça humildemente a soberania absoluta de Deus e a sua admirável sabedoria: Deus sabe mais e os seus desígnios, que são sempre justos, ultrapassam a nossa pobre compreensão e os nossos acanhados pontos de vista. 

A leitura foi escolhida em função do Evangelho de hoje, em que Jesus é apresentado como Deus, pois, tal como nesta passagem do livro de Jó, Ele é o Senhor do mar, dominando o seu assombroso poder: “Até aqui chegarás, e não além; aqui cessa a arrogância de tuas ondas” (v. 11). Já São Gregório Magno, em seus comentários Morais ao livro de Jó, relacionava este texto com o do Evangelho em que Jesus acalma a tempestade.

O salmo lembra que o Senhor tem tudo em Suas mãos e acode aos que estão em dificuldades quando a Ele recorrem: “Mas gritaram ao Senhor na aflição, e ele os libertou daquela angústia. Transformou a tempestade em bonança e as ondas do oceano se calaram” “DAI GRAÇAS AO SENHOR, pORQUE É ETERNA A SUA MISERICÓRDIA”.

Na segunda Leitura São Paulo sentia o seu coração enamorado de Cristo: “Se alguém está em Cristo é uma nova criatura”. 

Procuremos reavivar a nossa fé.  São Paulo é para nós modelo de amor a Cristo. Convertido na estrada de Damasco procurou entregar toda a sua vida a Jesus. Sem olhar a sacrifícios e dificuldades pregou o Evangelho por muitos lugares, deixando-se conduzir pelo Espírito Santo. Podia por isso exclamar: o amor de Cristo nos pressiona. O seu desejo era que todos conhecessem e amassem a Jesus.

Sentia o desejo de que todos vivessem para Cristo que morreu e ressuscitou por eles e se tornassem nele nova criatura.

Temos também que viver este amor a Cristo e trabalhar para que todos O amem de verdade. Não podemos cruzar os braços desanimados. A renovação do mundo depende do nosso amor a Jesus. As dificuldades que encontremos não podem levar-nos a cruzar os braços. O espetáculo de tantos que vivem afastados de Jesus, de tantos que o combatem promovendo um estilo de vida contrário ao cristianismo, em vez de desanimar-nos há-de incentivar a nossa ânsia de trabalhar mais por Ele, rezando, dando exemplo de fé, e falando de Jesus.

No Evangelho Jesus na barca dormia cansado, mostrando que é verdadeiro homem. Acalma a tempestade mostrando que é verdadeiro Deus. 
 
Depois de um dia de trabalho, os discípulos esperavam um tempo sereno ao cair da tarde, porque o Mestre ia com eles, à popa, e, portanto, julgavam que estavam poupados de qualquer risco. E foi como foi. Tempestade, águas agitadas e Jesus dormindo sobre um travesseiro, cansado de um dia de trabalho. 

Eles apertados pelo cerco das águas gritaram a Jesus como se ele, apesar de estar dormindo, estivesse alheio ou indiferente.  Jesus dominou o mar, com uma palavra de silêncio: 
“Silêncio! Cala-te”. E logo veio a seguir a advertência: “Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé”? 

Ora aqui está a raiz do medo e da incerteza, o pavor diante do risco. A falta de fé. Pensar que ir com Cristo é navegar em águas mornas. 

Desconheciam os pobres discípulos que ter fé é correr um risco, seguir Jesus é abraçar ventos contrários e saltar ondas violentas. A fé não é quietude, mas paixão. 

Elevemos nossa imaginação, e pensemos: para nós o que é ter fé?  É ter vida fácil, caminhos sem risco. Não! É um risco, mas que não é por nossa conta, porque temos certeza de que avançamos com Ele, o Mestre. E diremos como São João da Cruz, místico de Ávila: “Se me colhe a tempestade e Jesus vai dormir na minha barca, nada temo, porque a Paz está comigo”!

Esta bela e tremenda cena da tempestade acalmada traz-nos à mente aquele fim de tarde do dia 27 de março de 2020, quando o Papa Francisco, debaixo de uma chuva miudinha, atravessou sozinho a Praça de São Pedro, em plena explosão da pandemia, para nos fazer chegar à outra margem… A escolha deste Evangelho, para interpretar aquela hora dramática, deu voz à nossa esperança de que, apesar da tempestade, Deus continua a fazer germinar sementes de bem na humanidade. 

Demo-nos conta então de estarmos todos no mesmo barco, todos frágeis e desorientados, mas, ao mesmo tempo, todos importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos necessitados de mútuo encorajamento. E, neste barco, ninguém se salva sozinho.

Bem-vindos!

Bem-vindos!

Página das homilias do nosso arcebispo, Dom Washington Cruz. Aqui você tem acesso ao conteúdo homilético de todas as missas do pastor da Arquidiocese de Goiânia, celebradas sempre aos domingos, às 17h30. Baixe os arquivos em PDF, ou áudio MP3 ou compartilhe em suas redes sociais.

Atendimento

(62) 3223-4581 / 3225-0339